Home » Remoção

Remoção Especializada


A remoção feita por profissionais qualificados e com experiência trás tranquilidade nesse primeiro passo em busca de uma vida melhor para o paciente e sua família. A Clínica Decisão a Viver, focando no auxílio a família e ao transporte seguro, profissional e qualificado do paciente, dispõe de uma equipe que fará com que esse processo difícil e dolorido seja efetuado da maneira mais tranquila e sem traumas para todos os envolvidos.

De imediato nossa equipe irá gerar um plano estratégico para atender as necessidades do paciente e família. Também através da Clínica Decisão a Viver é possível, posteriormente ao período de internação, a contratação de equipe para acompanhamento, monitoramento e ressocialização do paciente. Somos especialistas em transporte de pacientes em estados alterados de consciência por motivos de dependência química de álcool e drogas. Nossa equipe é preparada para remoções em todo o território nacional de pacientes voluntários e involuntários. Atuando de maneira discreta e de acordo com as necessidades da família e responsáveis pelo paciente.

TIPOS DE RESGATE:

RESGATE SIMPLES/VERBAL:

Resgate Simples é apenas o transporte do paciente do local onde ele se encontra até a Instituição indicada conforme combinado acompanhado por profissionais da Clínica Decisão a Viver, sem necessidade de intervenção médica. Ocorre normalmente quando o paciente está calmo com aceitação e de acordo com o tratamento que irá receber.

RESGATE INVOLUNTÁRIO:

Quando uma pessoa abusa do álcool ou de outras drogas, o seu processo decisório está comprometido, ou seja, seu livre-arbítrio não existe, pois uma falta de motivação está relacionada à intoxicação. Ela interfere diretamente em sua condição emocional e psíquica para decidir sobre o uso. O indivíduo pode, inúmeras vezes, dizer que não quer mais usar as drogas, e fazê-lo dentro de poucos minutos, pode prometer à família diversas vezes que vai parar de usar e decepcioná-la no dia seguinte. A sua crise de abstinência é a responsável por tudo isso. Ele não consegue passar por ela, precisar usar. Sua vontade de parar não tem vez, quem manda é a falta da droga no organismo, ou seja, a dependência dela.

Assim o seu processo de uso vai evoluindo e, cada vez menos, ele terá condições para decidir parar de usar com essa falta de controle sobre si, vêm também outros agravantes. Ele começa a infligir valores, a cometer atos ilícitos para obter a substância, a agredir aqueles que o impedem de usar e assim, torna-se um perigo para si, para seus familiares e para a sociedade. Nesta condição a internação involuntária é indicada por nós

A internação involuntária não é tratamento, mas sim, uma tentativa de mobilização para proporcionar a mudança. Com a desintoxicação, ele voltará a ter condições de decidir o que é melhor para si e poderá optar pelo tratamento. Segundo Dr. Ronaldo Laranjeira, um dos doze princípios do NIDA- Nacional Institute on Drug Abuse, que abordam o tratamento efetivo para a dependência química, afirma que para o tratamento ser afetivo não precisa ser voluntário. “Nos Estados Unidos, inúmeras pesquisas relevam este fato”, explica o especialista.

Atualmente a internação involuntária esta prevista na Lei 10.216, de 6 de abril de 2001. Somente pessoas de ligação consanguíneas podem solicitar a internação involuntária que também, nessas circunstâncias, pode ser necessário o uso de medicação para o transporte do paciente até a instituição indicada. Sendo necessário o acompanhamento médico nesses casos.

A família deve buscar todas as informações necessárias sobre o local em que será feita a  internação involuntária, seguindo os mesmos questionamentos indicados para internação voluntária, porém com mais  atenção às questões relativas à segurança para que o paciente não fuja, sobre os métodos de contenção, medicamentos, tempo em que se inicia o processo de motivação para o tratamento voluntário, como funciona o trabalho enquanto estiver em regime fechado. Para isso, é importante visitar o local, conversar com a equipe e pesquisar nos órgãos competentes as referências do local.

A decisão é difícil, mas é válida. E mais, existe um momento da doença que qualquer opção é melhor do que deixar o dependente continuar a sua busca desenfreada pela droga. Seria como deixá-lo, vendado, seguir em rumo ao abismo.

RESGATE AÉREO :

Resgates Aéreos são geralmente a melhor opção para pacientes de outros estados do Brasil ou América do Sul que necessitem de internações em clínicas distantes de seu domicilio. São indicados para assegurar o conforto do paciente e principalmente evitar um tempo muito longo de sedação. Esta modalidade necessita da presença médica.

RESGATE DESCARACTERIZADO:

É a técnica onde os profissionais da Clínica Decisão a Viver abordam o paciente sem seus uniformes de trabalho, com o veículo descaracterizado, com o objetivo de evitar reações agressivas e discrição do serviço. Usando um pretexto de aproximação previamente combinado com familiares, amigos e ou profissionais envolvidas na operação. Ocorre, em geral, quando o paciente está transtornado devido ao uso de drogas ou durante um surto psicótico, podendo colocar em risco sua vida ou a vida de terceiros. Também, nessas circunstâncias, pode ser necessário o uso de medicação para o transporte do paciente até a instituição indicada. Sendo necessário o acompanhamento médico nesses casos.